POR TRÁS DAS LENTES // Léo Neves

 
 
 

Nunca é chato rever os melhores momentos de uma temporada havaiana, não é? O fotógrafo carioca Léo Neves dropou seu reel da última temporada no North Shore e de quebra conversou com a Moist sobre fotografia, suas imagens mais memoráveis e a vida na estrada.

 
 
 
 

Qual é sua imagem preferida de todo o reel? 

Difícil escolher, preparei esse reel com bastante critério, inclusive deixei de fora algumas imagens legais. De todas, acredito que a que me dá mais prazer em ver é uma do John John Florence em Pipeline (2:17). Fiz essa imagem usando a lente no 16mm e fiquei bem em baixo do pico para poder captá-la. Ele pegou um dos tubos do dia e a onda baforou na minha cara. Acredito que por se tratar do JJ e o grau de dificuldade da captação, essa seja a preferida. Outra que gosto muito é a última onda do reel, Wakita em uma bomba em Pipeline na série das 6 da tarde do mesmo dia. Lembro de ouvir a praia inteira gritando após a onda, pra fechar o dia com chave de ouro. Pena que a luz já estava prejudicada, mesmo assim não me canso de vê-la.

Qual foi o melhor mar da temporada?

 O melhor dia pra mim foi no dia 10 de janeiro, Pipeline quebrou clássico. Aquele dia que rende material pro ano inteiro. Me lembro de estar na água junto ao Keali Lemos e a gente ficava delirando a cada onda que vinha e dizíamos que são dias como aquele que deixam a gente realizado e nos fazem seguir em frente na nossa profissão.

Alguma memória/história que vale ser compartilhada?

Ao separar minhas imagens do dia 10 de janeiro, vi que na onda do Wakita (citada acima) estava o fotógrafo Keoki muito bem posicionado de fisheye, acho que o único nesse dia. Pensei comigo: "Caraca, o Keoki deve ter feito uma foto de capa". Keoki é um local havaiano, excelente profissional e sempre me recebeu muito bem no North Shore. Logo depois conversamos sobre esse momento e conferimos as imagens um do outro. Futuramente, sua foto realmente foi capa da revista Freesurf, do Hawaii.

Você tem preferência entre imagem dentro ou fora d'água?

Apesar de trabalhar com todos os ângulos, as imagens de dentro d'agua são minha preferência. Mas sei que um bom vídeo não pode ter sempre o mesmo ângulo, por isso estou sempre em busca de novidades.

O que você procura passar com as suas imagens?

Gosto muito de mostrar a beleza e cultura dos lugares que passo. E claro, a ação e o lifestyle que existem em volta do surf. Minha intenção é impressionar o olhar das pessoas e passar emoção, mostrar que existe muita diferença entre um fotógrafo e um profissional de fotografia.

Você prefere projetos independentes ou projetos com marcas parceiras? 

Eu valorizo todo e qualquer trabalho que faço, tento sempre aproveitar as oportunidades que aparecem. Mas acho que qualquer fotógrafo ou videomaker adoraria ter um projeto independente. O problema é ter verba e acesso ao público. No início não sobrava muito tempo para pensar nisso, money talks, né? Hoje em dia, graças a Deus, estou conseguindo me estabilizar na profissão e futuramente adoraria fazer uma produção própria. Alguém quer investir em mim? (risos)

Você está morando na Indonésia? Como está sendo essa experiência e como ela te ajuda no seu trabalho?

Desde o momento que coloquei a fotografia de surf como meu trabalho principal, venho morando em lugares que me proporcionam trabalhar bem com ela. Comecei no Hawaii e hoje em dia estou na Indonésia. Eu amo esse lugar! Altas ondas, lugares paradisíacos, gente do mundo inteiro (networking) e aqui consegue-se ter um padrão de vida muito bom com pouco dinheiro. A busca das ondas é interminável, sempre tem um pico que ainda não foi desbravado. No início foi bem difícil, mas foi isso que me ajudou a evoluir profissionalmente e sou muito grato por isso! Sei que o caminho ainda é longo mas é isso que me motiva, estar sempre em busca da evolução.

Para ver mais imagens acesse o Instagram @leonevesrj.