40 minutos voando com Ícaro Rodrigues

 
 

Ícaro Rodrigues voa baixo -- isto é, só se for figurativamente. O guarujaense pode não ser tão conhecido quanto uns Filipes Toledos que se tem por aí, mas moral não falta -- o próprio Toledo já afirmou que o cara é um dos melhores aerialistas do mundo. Isso aí, nem só do Brasil, mas dentre cabra de todo o planeta.

O videomaker Yuri Cetra andou filmando pelas redondezas do litoral paulista com Ícaro, e produziu o filme Minha Mente, que estreia com exclusividade aqui na Moist -- e além de Ícaro, conta com o surf de Heitor Pereira, Murillo Graciola e mais uma galera local. Aproveitamos para bater um papo com Yuri para saber mais sobre o projeto.

 

 

O video abre com uma mensagem sobre a herança cultural da corrupção no Brasil, depois tem uma frase do Nietzche… Juntando isso com o nome do filme, “Minha Mente”, qual é a ideia?

O filme em si é muito surf, mas eu queria me expressar entre as imagens de surf e esse título dá um contexto para isso. Essa é também a ideia da abertura com Hermes e Renato e com a frase -- tentar, com esses momentos, passar alguma coisa de valor, e de uma forma calma, com humor. A frase do Nietzche representa bem o que eu e o Ícaro estávamos passando quando começamos o projeto — eu não sabia se conseguiria trabalhar com arte e ele estava sem patrocínio.

Você é amigo do Icaro faz tempo? Como rolou essa relação de surfista/filmmaker?

Aqui no Guarujá, todo mundo se conhece. A gente já se trombava na água, mas quando eu resolvi entrar de cabeça nesse mundo da arte, uma das maneiras que vi foi com o audiovisual. Como eu já surfava, casei minha paixão por arte e pelo surf. Comecei sem nada, não tinha tripé nem máquina, mas eu chamei o Ícaro e falei que queria fazer um vídeo de surf. Ele foi muito sangue bom e me adotou, sempre me puxando para ser o melhor videomaker possível, enquanto eu tento instigar ele para surfar cada vez mais.

Já ouvimos até o Filipinho falar que o Icaro é um dos melhores aerialistas do Brasil. Ele é subestimado?

Eu compartilho dessa opinião. Se você for ver a quantidade de manobras que ele sabe fazer, é muito grande mesmo. E ele manda com muita facilidade, é muito técnico em aéreo. Não sei se ele é subestimado, mas poderiam conhecer mais o valor. Ele está sempre tentando voar mais alto e rodar o máximo possível.

Onde você filmou?

O filme inteiro foi gravado no estado de São Paulo. As minhas imagens são no Guarujá, Paúba e Maresias. Na última sessão, são imagens que o Heitor [Pereira] tinha guardado e tem altas ondas.

Por quê a escolha de fazer um filme de surf mais longo?

Quando comecei a trabalhar com o Ícaro, a ideia era não lançar na internet, o que a gente queria fazer era um filme mesmo. E desde moleque, eu assistia a filmes de surf pra surfar. Principalmente Fair Bits; os filmes do Jamie O’Brien me marcaram muito; e Trilogy também. Sempre fui ligado nisso, e mesmo tendo trabalhado com web edit, a minha vontade era fazer um filme de surf mesmo.