Os Tops querem férias!

 
120816-D-WJ069-002.JPG

O Tour vai entrar em reformas em 2019 -- mas isso você já sabia. Caso não ande muito informado, aqui vai um resumo do que já foi confirmado:

  • A temporada começará em fevereiro ou março, em Pipe e terminará em setembro, em Teahupoo
  • O Campeão Mundial será coroado num evento especial na Indonésia com os seis melhores colocados no ranking
  • O WQS vai acontecer durante o “fora da temporada”

“Não gostei disso! Deveria ser assim! Na minha época era assado!” Poderíamos debater interminavelmente sobre as vantagens e desvantagens dessas mudanças. Poderíamos chamar o Julio Adler ou o James B. para dar seus pitacos (e provavelmente vamos). Mas a opinião que realmente queríamos descobrir era só uma -- a dos próprios surfistas. Por isso, fomos perguntar diretamente a eles. E, ao contrário do que pensávamos, as mudanças não foram tão mal-recebidas assim pelos atletas da WSL.

 

A MUDANÇA

 Nem sempre as opiniões dos atletas convergem. Foto: WSL

Nem sempre as opiniões dos atletas convergem. Foto: WSL

Ian Gouveia: “A galera acha estranho porque desde o primeiro campeonato da ASP e da WSL sempre foi igual, então todo mundo fica em choque com uma mudança radical dessas. Mas pode ser que dê certo. Para mim, qualquer coisa está bom, mas confesso que eu gostava do formato que era antigamente, quando eu assistia ao meu pai mesmo. Entrava 15, saía 15, competiam 45 e era isso aí”

Jessé Mendes: “Eu acho que a galera costuma sempre olhar o lado negativo das coisas e crucificar o negócio. [A WSL] não está ali para piorar a situação.”

Wesley Dantas: “Eu achei meio estranho, muitos atletas já vem treinando para entrar no WCT de um modo e agora vai mudar. Se fosse por mim -- se eu fosse o presidente da WSL -- eu não mudaria, deixaria do jeito que está. Eu não estou no WCT ainda, mas achei diferente e um pouco difícil.”

 

TEMPORADA MAIS CURTA

Wiggolly Dantas: “Eu achei muito bom porque a gente vai ter um tempo de férias. Só janeiro é muito pouco. Não dá para fazer uma viagem, treinar com os amigos e fazer outras coisas para melhorar muito mais o surf. Eu acho que a gente vai ter mais tempo para treinar e voltar mais bem preparado.”

Jessé Mendes: “Diminuir o período vai ser melhor, porque muitas vezes eles fazem você ir para casa passar duas semanas. E passar duas semanas é a mesma coisa que não passar nada, então é melhor que aconteça tudo de uma vez. Acho que a galera vai ter mais tempo para se preparar mentalmente e fisicamente, sabendo que a duração é essa e depois você está livre. Outra coisa é que eu acho que para os fãs vai ser mais legal, porque realmente vai ter uma temporada, não vai ser um ano corrido. Uma etapa daqui a um mês, aí tu esquece e já tem outra. Agora, com uma seguida da outra, todo mundo vai ficar por dentro.”

 

WQS

 Com o novo formato, será que caras hypados como Ethan Ewing estariam na elite? Foto: WSL

Com o novo formato, será que caras hypados como Ethan Ewing estariam na elite? Foto: WSL

Yago Dora: “Eu acho que esse formato novo é muito bom para quem já está no WCT. Mas, ao mesmo tempo, é difícil para aqueles que não têm patrocínio e precisam dos eventos para ganhar dinheiro. Acho que vai ser difícil para essa galera que está no aperto. Acho que vai ajudar bastante quem já está no WCT, porque o cara que não se reclassificou vai ter o WQS para competir pela frente. E quem só está no WQS vai ter que disputar as etapas com os caras do WCT, que estão brigando para requalificar.”

Ian Gouveia: “Para o WQS, pode ser que fique melhor. Esse lance de diminuir a temporada vai dar chance da elite competir o WQS, o que vai dar mais ênfase, vai ficar mais famoso, com mais importância. Não vai ser tão abandonado como é agora. Ninguém sabe o que é o QS, ninguém conhece os surfistas, sendo que eles são tão bons quanto os do CT.”

 

DECISÃO NAS MENTAWAI

 Será que a etapa final na Indonésia será como os  playoffs  da NBA e NFL? Foto: WSL

Será que a etapa final na Indonésia será como os playoffs da NBA e NFL? Foto: WSL

Ian Gouveia: “Pode ser injusto com o primeiro lugar lá no dia da final nas Mentawai, se ele ficar doente e não competir. O cara quebrou o ano inteiro e terminou o ranking em primeiro... Mas é foda. Só assistindo para ver.”

Wiggolly Dantas: “A decisão na Indo não é injusta porque, se você ficou em primeiro até o final do ano, vai ser em ondas perfeitas para a esquerda e a direita, então você vai ter que mostrar o seu surf. Se você é o primeiro até o sexto, você tem surf para estar ali e ganhar de novo.”

Jessé Mendes: “Acho que vai ter muita controvérsia, eu não sei se eu sou a favor ou contra. Tem o lado a favor, porque é certeza de onda boa -- eles falaram que vai ser uma trip quando tiver um swell bom. Por outro lado, eu acho que vai ser uma desvantagem pro cara que está liderando, porque ele tem uma vantagem bem grande e uma boa chance de ganhar o título mundial. Aí, por começar um campeonato paralelo só para decidir o título, ele vai ter uma desvantagem.”